Deprecated: mysql_connect(): The mysql extension is deprecated and will be removed in the future: use mysqli or PDO instead in /var/www/html/palasathena.org.br/web/gc/sql.inc.php on line 67 Palas Athena
  • Home
  • 16ª Semana Gandhi | 1997
16ª Semana Gandhi | 1997


Reflexões e celebração em torno da não-violência
 
Eu considero muito a liberdade individual, mas não se deve esquecer que o homem é essencialmente um ser social. Ele se elevou a seu nível atual aprendendo a conciliar seu individualismo com as exigências do progresso social. Um individualismo desenfreado só pode fazer reinar a lei da selva. Nós aprendemos a encontrar o justo meio entre nossa liberdade individual e a sujeição social. Sujeitar-se de bom grado às obrigações sociais, com vistas a assegurar o bem público, é servir ao mesmo tempo a seu interesse pessoal e ao da sociedade da qual faz parte.
 
Selectionsfrom Gandhi, Nirmal Kumar Base, Navajivan Publishing House, Ahmedabad, 1948, p. 190.
 
 
Programa
 
quinta-feira, 2/10 - 19h30 - Abertura
Mahatma Gandhi, o Político
R. Viswanathan, Cônsul Geral da Índia
 
Há na sociedade uma tendência para encarar a política como um jogo sujo. Gandhi, porém, não era o tipo de pessoa que recuasse diante da política. Ele sabia da sua importância no século XX, quando nela imergiu e dela saiu sem nenhuma mancha. Limpou a política e reformou os políticos.
 
Neste ano de 1997, quando a Índia celebrou 50 anos de independência, o Sr Viswanathan analisou o papel de Gandhi, como político, na conquista dessa independência. Também foram discutidos os seus ideais que tanto influenciaram a Índia nos últimos 50 anos, questionando por que a filosofia política de Gandhi é relevante para a política dos nossos dias.
 
Apoio cultural:
Consulado Geral da Índia
 
 
sexta-feira, 3/10 - 19h30 - Palestra
Em busca da eqüidade no mundo contemporâneo
Therezinha Fram
 
Educadora e psicóloga, especialista em políticas sociais, foi Secretária do Estado e do Município de São Paulo na área de Família e Bem-Estar Social. É membro da Academia Paulista de Psicologia, da Rede Brasileira de Educação em Direitos Humanos, da Fundação ABRINQ e do Instituto para Promoção da Eqüidade, além de participar em outras instituições acadêmicas e comunitárias.
 
Foram analisados os avanços nas decisões e recomendações das conferências internacionais da última década, em benefício do ser humano, sua dignidade e sua sobrevivência. E quais são as implicações dessa análise no quadro da política social brasileira, considerando as responsabilidades da sociedade civil e do governo.
 
Psicóloga clínica com atuação nas áreas de saúde pública, educação e desenvolvimento de pessoal em empresas. Atualmente trabalha como desativadora de estresse emocional. É professora da Palas Athena.
 
Muito se fala sobre a paz: paz universal, paz entre os povos, paz diplomática. Há imensos tratados de paz onde regras e normas têm que ser cumpridas para que haja a tão procurada paz no mundo. Contudo perguntamos: o mundo está em paz? A paz é possível? Existe a paz? Acreditamos que sim! E que sua fonte seja a não-violência, como Gandhi ensinou através de sua vida e obra. Temos, porém, que repensar o caminho para encontrá-la, talvez não fora, mas dentro de nós, e esta é nossa proposta para este encontro. "Um homem de paz faz muito mais que mil tratados, decretos e conferências sobre a paz."
 
 
sábado, 4/10 - 18h - Palestra
Gandhi, uma história que recém começa
Lia Diskin, co-fundadora da Palas Athena
 
A resolução pacífica de conflitos - levada por Gandhi ao espaço político - para a maioria dos indivíduos, instituições e nações ainda é uma aspiração, um ideal, um sonho distante de difícil realização na vida cotidiana. A despeito disso, os movimentos pacifistas de inspiração gandhiana multiplicam-se no planeta inteiro. Assumindo as mais diversas características, esses movimentos criam universidades para a Paz, centros de encontro Inter-religioso, associações de estudo da Tolerância e até agrupações de empresários comprometidos com os princípios da Cooperação e Auxílio Mútuo.
 
Na própria Índia, o impacto do pensamento gandhiano está transformando o tecido social de maneira inusitada: a ascensào dos párias (intocáveis) a cargos públicos - como vem acontecendo através das últimas eleições desse país - era algo impensável há 50 anos. Como disse Gandhi: "Verifiquei que a vida persiste em meio à destruição. Deve existir, portanto, uma lei superior à destruição. Unicamente sob esta lei poder-se-á conceber uma sociedade organizada e a vida digna de ser vivida".
 
 
domingo, 5/10 - 16h - Música
Concerto em homenagem a Mahatma Gandhi
José Luiz Martinez (canto e tabla), Meeta Ravindra (canto), Sagar Ravindra (tabla) e Dhaivat Raj (sitar)
 
Neste concerto a cantora clássica indiana Meeta Ravindra reuniu-se a três músicos brasileiros em um encontro musical onde estilos tradicionais do norte da Índia, como o dhrupad, o khayal e o bhajan foram apresentados entre composições-miniatura de Martinez. O público foi convidado a participar cantando com os músicos uma canção que Gandhiji apreciava especialmente: Raghupati Raghava Raja Rama.
 
Meeta Ravindra é cantora clássica. Nasceu na Índia, em Sewagram, aldeia fundada por Mahatma Gandhi. Iniciou sua carreira aos cinco anos e estudou com eminentes gurus e professores, completando sua formação na Universidade de Nagpur, com distinção em Música. Em 1993, foi uma das vencedoras do concurso de ghazal (uma modalidade de música clássica) na Índia. Suas apresentações têm tornado conhecida e apreciada a música clássica indiana no Brasil.
 
José Luiz Martinez é compositor, musicologista, percussionista e cantor. Doutor em Musicologia pela Universidade de Helsinki (Finlândia), tem pesquisado especialmente a estética e significação da música indiana. Entre suas publicações está Semiosis in Hindustani Music. Na Índia estudou dhrupad com Ustad Zia Fariduddin Dagar, um dos mais renomados mestres desta tradição vocal. Como compositor, Martinez tem se dedicado à música de câmara contemporânea, freqüentemente combinando elementos de diversas culturas musicais do mundo com a música contemporânea ocidental.
 
Sagar Ravindra é tablista. Desde a infância foi iniciado na música clássica indiana peJa mãe, Meeta Ravindra. O tablista de hm1a internacional Badal Roy f1cou muito impres¬sionado pelo seu talento, presenteando-o com o seu próprio tabla e aceitando-o como discípulo em maio de 1995. Estudou tabla na Índia com Guru Mahesh Nimbekar. Sagar tem se apresentado em espetáculos como "Sangam - Música e Dança Clássica Indiana" (Campinas, agosto de 1996), "SI1Ub" e participado de gravações de Cds.
 
Dhaivat Raj é sitarista. Um dos precursores da música clássica indiana no Brasil, vem se apresentando desde 1987. Sua formação como autodidata foi enriquecida com os cursos que freqüentou com a cantora Meeta Ravindra e o professor sitarista indiano Pandit Shiv Kumar Shastri. Adquiriu técnicas de Meend para o sitar e surbahar na famosa escola de Gandharva Mahavidyalaya, com o mestre ]agdeep Singh Bedi em Nova Delhi (Índia).